Locomotiva transforma ruína da Oliva em instalação artística
15-01-2015
A partir deste sábado, 17 de janeiro, a Metamorfose toma conta da fachada do antigo edifício da Oliva, na Avenida Dom Afonso Henriques, junto a São Bento.

A partir deste sábado, 17 de janeiro, a Metamorfose toma conta da fachada do antigo edifício da Oliva, na Avenida Dom Afonso Henriques, junto a São Bento. É a primeira de várias intervenções realizadas no âmbito do projeto Locomotiva, dinamizado pela Câmara Municipal do Porto, através da PortoLazer, e cofinanciado Programa ON.2 - O Novo Norte, com o objetivo de dinamizar a área envolvente à Estação.


Da autoria do coletivo FAHR 021.3, a instalação que será inaugurada este sábado promete desviar o olhar de quem passa no local, quer pela cor elétrica que a desenha - um verde que se assemelha ao cobre oxidado - quer pelo desconforto e mesmo provocação que será gerado entre a ruína e este novo corpo estranho, em forma de malha metálica, com quase seis toneladas de peso.


Desde 27 de dezembro que a Metamorfose está a ser construída, não para tapar a ruína, mas para lhe dar uma nova textura e leitura, em estreita relação com a escarpa granítica que se situa mesmo ao lado.


A estrutura, que começou por ser desenhada digitalmente, estende-se por quase 26 metros de comprimento e 12 metros de altura. Além de ser pintada de verde, terá um projeto de iluminação da autoria do designer de luz José Nuno Sampaio.


A inauguração está marcada para as 18h00 deste sábado, com o acender das luzes e um DJ SET a cargo do portuense Tiago Carneiro. Duas horas antes, pelas 16h00, aproveitando a luz do dia, haverá um "instameet": todas as pessoas estão convidadas a fotografarem a instalação e a partilharem as imagens no Instagram com a hashtag #metamorfosefahr.


A Metamorfose vai manter-se na ruína até ao final do projeto Locomotiva, em junho deste ano.