Chegou o festival que põe o público a olhar para as varandas do Porto
31-07-2017
"Lusofónico" é o tema da sexta edição do Festival Varandas, que arranca já na noite de 4 de agosto, na Praça de Dona Filipa Lencastre, e se prolonga até dia 25. E porque o acesso é livre, contamos com todos de nariz no ar e olhos postos nas varandas que se abrem para o mundo da Lusofonia.

Integrado no programa Verão é no Porto, o Festival Varandas está de regresso em agosto para dar uma nova vida às varandas da cidade. Depois de em 2016 ter ensaiado um novo modelo, com toda a programação concentrada na zona de Miragaia, este ano o evento regressa ao formato original, com espetáculos em vários espaços da cidade que permitirão ao público descobrir novas e monumentais varandas de edifícios tipicamente portuenses.


A outra novidade desta sexta edição diz respeito à forma como a programação foi distribuída. À exceção do primeiro fim de semana, que apresenta uma sessão para público mais novo no sábado de manhã, os restantes têm todos uma dupla sessão: um conto às 19 horas e um canto às 22. Esta opção permite ir ao encontro dos diferentes ritmos da cidade, procurando também alargar o público e fidelizar os participantes da primeira sessão, para que voltem na sessão da noite.

 

O tema deste ano do festival, "Lusofónico" vai guiar sempre os contos do fim de tarde e a música da noite. O ponto comum entre eles será sempre a língua portuguesa, embora contada e cantada em diferentes varientes. Haverá música popular portuguesa, com o cante alentejano e os cavaquinhos, e ainda música africana e brasileira.

 

O Varandas vai percorrer quatro praças da cidade, já a partir da primeira sexta-feira de agosto, dia 4, sempre com acesso livre. Vejam aqui o programa completo:

 

> 4 de agosto | Praça de  Dona Filipa de Lencastre, 175


22h00: Canto | Magano (PT)

Magano encontra no Cante Alentejano a sua maior inspiração. Através de um contrabaixo, viola e percussões e de uma interpretação a duas vozes, Magano concede às modas Alentejanas um cunho pessoal pautado pela simplicidade e profundidade.

Ficha Técnica: Sofia Ramos (voz e percussão), Nuno Ramos (voz e viola) e Francisco Brito (contrabaixo).

 


> 5 de agosto | Praça de  Dona Filipa de Lencastre, 175


11h00: Varandinha | Contilheiras: contos populares portugueses infantis.
Ficha técnica: Joana Teixeira e Linda Rodrigues.

 

 

> 11 de agosto | Praça de Parada Leitão (à Cordoaria)

 

19h00: Conto | Contilheiras: contos populares africanos.
Ficha técnica: Joana Teixeira.

 

22h00: Canto | Daniela Mendes, Trio (PT)

Depois de em 2009 concluir o curso de Arquitetura, Daniela Mendes decidiu que o seu caminho seria desenhado por canções. A sonoridade da cantora e compositora portuguesa convida a uma viagem onde a mescla de influências lusófonas dão o mote, com ritmos e palavras de Portugal, Brasil ou Cabo Verde.

Ficha Técnica: Daniela Mendes (voz), André Marques da Silva (guitarra) e Luís Delgado (percussão).

 


> 18 de agosto | Palacete de Viscondes de Balsemão (Praça de Carlos Alberto)

 

19h00: Conto | Contilheiras: Pimenta na Boca - poesia popular portuguesa.

Ficha técnica: Joana Teixeira e Linda Rodrigues.

 

22h00: Canto | Daniel Pereira Cristo, Quarteto (PT)

É de uma amalgama de experiências e vivências, de tantos projetos e aventuras musicais passadas, que surge este concerto, para apresentação de "Cavaquinho Cantado". O concerto caracteriza-se pela alegria da junção dos dois velhos conhecidos, o canto e o cavaquinho, como personagens centrais numa abordagem nova e contemporânea da música e instrumentos de identidade. Música Étnica do Noroeste Português e Peninsular.

Ficha Técnica: Daniel Pereira Cristo (voz e cavaquinho), Diogo Riço (bandola e guitarra), David Estêvão (contrabaixo) e Catarina Valadas (voz e flauta transversal).

 

  

> 25 de agosto | Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto (Rua de Rodrigues Sampaio)

 

19h00: Conto | Contilheiras: contos de cordel brasileiros.

Ficha técnica: Linda Rodrigues.

 

22h00: Canto | Leo Middea (BR)

Carioca, 22 anos, cantor e compositor, Leo Middea traz-nos a sonoridade da nova música popular brasileira, numa mistura de tropicália, carimbó, funk e tudo o que foi vivendo nas suas viagens pelo mundo. Deixou saudades no Uruguai e Argentina e chega agora a Portugal. Para ficar. Que o digam as duas atuações no Sofar Sounds Lisbon: "Tal como Caetano Veloso, Chico Buarque e Gilberto Gil, Leo aprendeu a botar em acordes sua relação com a vida, com o porquê, com o sentimento de ser e se expressar."

Ficha Técnica: Leo Middea (voz e guitarra).

 


O Festival Varandas é uma coprodução da Câmara do Porto, através da PortoLazer, Associação das Colectivadades do Porto (ACCP) e PlateiaParalela. Surgiu há já seis anos, tendo como objetivo trazer a animação às ruas da cidade. Desde a primeira edição, já passaram pelas varandas deste evento mais de 80 artistas, locais, nacionais e estrangeiros, em 43 espetáculos, que incluíram música, teatro, poesia ou projeções fotográficas.